Novo acordo ortográfico

Fique por dentro das novas regras

As principais mudanças do Novo Acordo Ortográfico



TREMA

O trema deixou de existir em todas as palavras da língua portuguesa, se antes você escrevia conseqüência,cinqüenta, freqüência, agora passe a escrever sem o trema - aquele dois pontos em cima do u-


ACENTUAÇÃO

1.Ditongos de palavras paroxítonas - ei e -oi

Deixaram de existir os acentos nos ditongos - o encontro de duas vogais pronunciadas em uma só sílaba, como por exemplo ideia (EI é um ditongo) - abertos de palavras paroxítonas (que possuem acentuação na penúltima sílaba) como: moreia, europeia, paranoia, centopeia e onomatopeia, joia, estreia.


2. Hiato


Deixaram de existir os acentos circunflexos nos hiatos - uma repetição de vogais que pertencem a sílabas diferentes, como por exemplo enjoo (as sílabas da palavra são en/jo/o) - nos seguinte casos:

Exemplos:

oo - entoo, perdoo e abençoo

ee - creem, releem e preveem


Antes: Vôo - Enjôo - Vêem - Lêem

Agora: Voo - Enjoo - Veem - Leem


3. A letra U e I tônico


A letra U e I tonca deixa de ser acentuada nas sílabas que, qui, gue e gui de verbos como apaziguar, averiguar e obliquar. Também perdem os acentos as palavras paroxítonas que têm a letra I ou U tônicos precedidos por ditongos, como a palavra feiura, baiuca, cheiinho.


Antes: Feiúra - Baiúca - Cheiínha

Agora: Feirura - Baiuca - Cheiinha


4. Acento diferencial


Os acentos diferenciais, que são usados para distinguir duas palavras iguais com significados diferentes, como por exemplo pára (do verbo parar) e para (preposição) deixa de existir nos seguintes casos:


Para (verbo)

Pelo (substantivo) - que se diferencia da preposição pelo


Antes: Pára - Pêlo - Pólo - Pêra


Depois Para - Pelo - Polo - Pera


*Exceção

Como toda regra há exceção, o acento diferencia permanece:


* Pôde (do verbo poder no passado), que mantém o acento para se distinguir de pode, o uso do verbo no presente;

* Pôr (verbo), que mantém o acento para se diferenciar da preposição por.


5. ALFABETO

O alfabeto brasileiro ganha mais três letras, passando de 23 para 26 letras no total. Foram incluídos o K, o W e o Y.


A inclusão das novas letras não é totalmente uma novidade para o brasileiro. Elas já eram usadas em algumas situações, como siglas ou palavras originárias de outras línguas:

Exemplos:

km (abreviação de quilômetro), w (abreviação de watts), kg (abreviação de quilograma), kung fu, Washington, Kaiser e Franklyn.


6. HÍFEN

De todas as mudanças na nova ortografia, as mais complexas e onde todos estão tendo mais dificuldades é onde o hífen deixou ou não de ser usado.


Veja nos links abaixo as novas regras do uso do hífen na nova ortografia:

Uso do hífen na nova ortografia

Hifen: Quando usar e não usar, parte II

Hifen: Quando usar e não usar, parte III: Uso do hífen com compostos

Quando achamos que já aprendemos um pouco, ai vem um novo acordo ortográfico e muda muitas regras, a dificuldade maior do aprendizado da língua portuguesa é a maneira que é ensinada, pois aprendemos de forma errada, modo arcaico, assim tornado o aprendizado bem lento e complicado, mas conheço uma forma de aprender português de forma prática e eficiente.

novo acordo ortografico

Para que um Novo Acordo Ortográfico?

O Novo Acordo Ortográfico visa simplificar as regras ortográficas da Língua Portuguesa e aumentar o prestígio social da língua no cenário internacional. Sua implementação no Brasil segue os seguintes parâmetros: 2009 – vigência ainda não obrigatória, 2010 a 2012 – adaptação completa dos livros didáticos às novas regras; e a partir de 2013 – vigência obrigatória em todo o território nacional. Cabe lembrar que esse “Novo Acordo Ortográfico” já se encontrava assinado desde 1990 por oito países que falam a língua portuguesa, inclusive pelo Brasil, mas só agora é que teve sua implementação.


É equívoco afirmar que este acordo visa uniformizar a língua, já que uma língua não existe apenas em função de sua ortografia. Vale lembrar que a ortografia é apenas um aspecto superficial da escrita da língua, e que as diferenças entre o Português falado nos diversos países lusófonos subsistirão em questões referentes à pronúncia, vocabulário e gramática. Uma língua muda em função de seus falantes e do tempo, não por meio de Leis ou Acordos.


A queixa de muitos estudantes e usuários da língua escrita é que, depois de internalizada uma regra, é difícil “desaprendê-la”. Então, cabe aqui uma dica: quando se tiver uma dúvida sobre a escrita de alguma palavra, o ideal é consultar o Novo Acordo (tenha um sempre em fácil acesso) ou, na melhor das hipóteses, use um sinônimo para referir-se a tal palavra.