Infeção Hospitalar

Mais vale prevenir, do que tratar!

Dicas de Prevenção

Para os técnicos de saúde

Estes têm uma enorme importância na prevenção da infeção hospitalar. A organização da equipa técnica e a existência de rotinas são essenciais para um bom funcionamento em geral dos serviços prestados no hospital e até facilitam o trabalho que cada profissional tem que executar, pois assim eles sabem especificamente as tarefas que têm a cumprir e os cuidados a ter para prevenir a ocorrência de infeções hospitalares. Há também que ter muito cuidado quando se efetuam procedimentos evasivos nos pacientes, pois é uma das principais causas de infeção. É necessário salientar que os profissionais de saúde devem ter particular cautela no manuseamento do material que vai estar em contacto com o paciente e, por exemplo, não devem tossir, espirrar, ou falar sobre o material esterilizado ou colocar materiais no chão e que devem limpar as mãos a toalhas de papel e não a de pano.

Para a população em geral

O simples e prático gesto de lavar as mãos de forma correta é essencial para a prevenção da infeção hospitalar. Para além dessa atitude que se deve tomar, é importante que a população no geral saiba que existem pequenos gestos (que todos devemos adotar que até nem requerem grande esforço nem custos) que podem reduzir o risco de infeção hospitalar de maneira a contribuir para a saúde e bem-estar de todos. Um bom ponto de partida passa pelos simples atos que devem executar (e os que devem evitar) quando vão a um hospital.

Quando se vai visitar um doente ao hospital:

  • Podem-se levar flores para tornar o ambiente hospitalar mais leve (exceto nas unidades críticas), contudo, devem ser retiradas do quarto à noite para não afetarem a quantidade de O2 disponível.


  • Deve-se evitar sentar na cama dos doentes para não haver mistura das bactérias que se trazem na roupa com as do hospital.


  • As crianças não devem visitar doentes nos hospitais, contudo, caso ocorram visitas deve-se ter em conta o seguinte: se forem crianças de colo, quando fizerem visitas devem ficar no colo do adulto para não entrarem em contato com as bactérias do hospital. Por este facto é que os hospitais permitem visitas de crianças a partir dos 12 anos pois têm mais consciência de que não podem tocar em tudo o que vêm.


  • Deve-se evitar levar alimentos aos pacientes pois estes podem estar em dieta específica e os restos de alimentos podem atrair insetos por exemplo. Em opção pode-se oferecer uma revista, ou livro.


  • No caso de o visitante possuir na altura da visita uma gripe ou lesão na pele, deve optar por não a fazer porque os pacientes estão mais vulneráveis e podem piorar por contraírem mais uma doença.

Ref. Bibliográficas