Basquete

Curiosidades, informações, imagens e muito mais!

Como deve ser uma quadra de basquete??

A quadra de basquete deve ser retangular, plana, sólida e livre de obstáculos.

De acordo com as novas regras da FIBA, seu comprimento deve ser de 28m e a largura de 15, sendo que as linhas limítrofes não fasem parte da quadra de jogo. Estas dimensões são obrigatórias para campeonatos internacionais, para as outras competições, a entidade responsável poderá autorizar jogos em quadras com a medida antiga, de 26m por 14.

Todas as linhas da quadra deverão possuir 5cm de largura e todas de uma mesma cor, preferencialmente branca.

Paralelo às linhas de fundo, exatamente no centro da quadra, deverá ser traçada a linha central. A partir de seu centro deverá ser desenhado um círculo de 1,80m de raio. O círculo pode ser de cor diferente da quadra, porém, se pintado, deve ser da mesma cor dos “garrafões”.

Para e delimitar a zona de cesta de três pontos deve-se fazer o seguinte: Traçar uma linha imaginária, partindo do ponto central do aro e paralela a linha de fundo, de 6,25m para cada lado. Perpendicularmente a linha de fundo, deve-se traçar uma linha reta até a distancia desta linha imaginária. A partir daí a linha de três pontos deve ser equidistante ao centro do aro, a uma distância de 6,25m.

Para desenhar o “garrafão”, deve-se fazer o seguinte: Achar o ponto médio da linha final, marcar 3m para cada lado. Traçar uma linha imaginária, a partir do ponto médio, até uma distância de 5,8m, este será o ponto central da linha de lance-livre, que deve ter 3,6m de comprimento, deve-se ligar as bordas da linha de lance-livre até os pontos a 3m do centro da linha final com uma linha diagonal. A circunferência ao redor da linha de lance-livre tem 1,8m de raio, e a parte no interior do garrafão deve ser pontilhada.

Momento 2

O basquete é um esporte inventado em 1891, que tem como objetivo colocar a bola numa cesta. Foi inventado pelo professor de educação física James Naismith na Associação Cristã de Moços de Springfield, Estados Unidos. É jogado por dois times de 5 jogadores . Os aros da cesta são colocados a 3,5 metros de altura. Para andar pelo o campo o jogador deve quicar a bola no chão, não sendo permitido dar mais de dois passos com a bola na mão.

Os principais circuitos mundiais do basquetebol são as Olimpíadas e o Campeonato Mundial. Nos Estados Unidos existe uma maior valorização do esporte do que em outros países, isso acontece pela cultura e o apoio de verba do governo americano, que influencia nos resultados dos jogos, acontecendo uma supremacia dos Estados Unidos no basquetebol em uma competição que, por exemplo, constitui de 24 países diferentes, o mundial, que é organizado pela Federação Internacional de Basquetebol.


Os EUA, por ser aonde o baquete foi criado, é o país com maior número de praticantes do basquete do mundo, além de possuir a NBA,maior liga de basquete. Existem muitas diferenças no desenvolvimento do basquete em continentes diferentes, afinal, tudo depende da popularidade e do incentivo do basquete em determinado país. As competições internacionais de basquete atraem a atenção da mídia equivalente à importância da competição. Se for um campeonato grande, com certeza irá atrair mais espectadores e atenção da mídia. Como exemplo da indústria milionária do basquete espetáculo, temos o Harlem Globetrotters, um time de basquete americano que viaja o mundo fazendo jogos de exibições onde misturam entretenimento e habilidades performáticas.

A realidade do basquete brasileiro é boa, o esporte vem passando por uma grande reestruturação, principalmente com a criação do NBB, que é o principal campeonato de clubes do país. Apesar disso, ainda não se pode comparar a realidade de um jogador de basquete de alto nível no Brasil com a de um jogador de futebol. Ainda falta muito para um jogador de basquete que atua no Brasil receber tanto destaque da mídia quanto um jogador de futebol recebe. Atualmente o Brasil possui alguns jogadores que atuam na NBA, como Nenê, Leandro Barbosa, Anderson Varejão e Tiago Splitter, e também jogadores que atuam na Europa, como Marcelinho Huertas.

Momento 3

A tecnologia da informação vem crescendo cada vez mais e desenvolvendo técnicas que ajudam o desempenho em diversas áreas, entre elas, o esporte. O esporte é considerado uma das principais ferramentas para a inclusão social. Um bom caminho é utilizar as novas tecnologias na fabricação de equipamentos e na gestão de eventos. O que poucos sabem, no entanto, é que mesmo para essa imensa maioria, a tecnologia desenvolvida para otimizar o resultado dos profissionais pode se reverter em benefícios inestimáveis, auxiliando até mesmo a aumentar o número de praticantes.

  • Como a tecnologia da informação auxilia as modalidades esportivas de alto rendimento? Com a tecnologia ajudando nos esportes, podemos ter uma maior precisão dos resultados e do que há de errado no que os profissionais estão fazendo. No meio esportivo de alto rendimento, o desenvolvimento da tecnologia proporciona uma série de benefícios: a comunicação social e o uso da internet permitem a interação mais rápida entre atletas e treinadores, o que aperfeiçoa e desenvolve os treinamentos e permite fazer comparações com adversários e de diferentes desempenhos do mesmo atleta.
  • Como usufruir dessa inovação no basquete? No basquete há uma tecnologia que o revolucionou: o Digital Scoresheet. Esse aparelho filma o jogo ao vivo e fica sobre supervisão dos árbitros da mesa, assim que tiver um lance polêmico o juiz principal recorre ao aparelho junto aos árbitros da mesa e verifica a jogada. No uniforme dos jogadores, existem novos tecidos que são bem mais leves, duram mais que os antigos e são bem mais confortáveis.
  • Como usufruir dessa inovação nas atividades físicas com fins salutares? Essas inovações tornam mais fácil a verificação da saúde das pessoas, facilitando o direcionamento das atividades físicas. Além disso, faz com que as próprias atividades físicas sejam mais fáceis de serem executadas e assim, melhoram o condicionamento físico das pessoas e até mesmo livra-as ou previne-as de certas doenças.

MOMENTO 6

Observamos que com a correção dos movimentos (pernas alinhadas, flexionadas e braço em 90º) conseguimos um marior número de converções. Mas para conseguir um aumento de converções não basta só fazer os movimentos certos, tivemso que executar todas as recomendações simultaneamente e de forma correta.
Concluimos que é bem mais facíl ver o que devemos melhorar no movimento por meio da tecnologia, tirando fotos dos movimentos e vendo o que estava errado para corrigir e executar de forma correta para maior desempenho.

Curiosidades

- O basquete é um dos esportes mais praticados no mundo, com cerca de 300 milhões de adeptos. Atualmente, mais de 170 países estão filiados à Federação Internacional de Basquete Amador (FIBA), entidade máxima da modalidade.

- Os países mais tradicionais na modalidade são Rússia e os Estados Unidos. No feminino, a invencibilidade das duas nações em Campeonatos Mundiais chega a impressionar, tendo sido quebrada apenas pelo Brasil, em 1994, e Austrália, em 2006. São seis títulos para as norte-americanas e sete para as soviéticas. Já no masculino, os dois países ganham mais um concorrente: a ex-Iugoslávia, maior vencedora do Campeonato Mundial com cinco títulos, contra três da ex-União Soviética e dos Estados Unidos.

-O armador brasileiro Leandrinho, do Phoenix Suns, foi eleito o melhor reserva da temporada 2006-2007 da NBA.

-O recorde de pontos em uma só partida da NBA pertence a Wilt Chamberlain, que atuou de 1959 a 1974 na liga norte-americana e chegou a marcar 100 pontos em um único jogo.

Basquete para cadeirantes

Raissa basquete
Raira basquete
Rebeca basquete

Momento 5

Raíssa Mamede: ao executar o arremesso, a aluna não estava com as pernas alinhadas, elas estavam flexionadas uma a frente da outra. A aluna não executou o movimento de colocar o braço em um ângulo de 90 graus e nem segurou a bola de forma correta antes do arremesso.
Raíra Nogueira: fez corretamente o movimento de deixar as pernas flexionadas e paralelas, porém, posicionou os braços de maneira errônea. Ao invés de coloca-los em um ângulo de 90 graus à frente do corpo, ela arremessou a bola de traz da cabeça.
Rebeca Ziller: posicionou as pernas paralelas e flexionadas corretamente, mas enganou-se ao arremessar a bola, jogando-a depois que os seus braços já haviam passado do ângulo de 90 graus. A aluna utilizou força demasiada ao arremessar a bola.