Sistema Nervoso Autônomo

Diferenças entre os sistemas Simpático e Parassimpático

Sistemas Simpático e Parassimpático

O sistema nervoso autônomo se divide em duas porções: o sistema simpático e o parassimpático, que se distinguem segundo critérios anatômicos, farmacológicos e fisiológicos. De modo geral, esses dois sistemas têm funções antagônicas, ou seja, contrárias. Um sistema corrige os excessos do outro.
Big image

Sistema Simpático

· O SNP autônomo simpático estimula ações que liberam energia, permitindo ao organismo responder a situações de estresse

· Possui uma localização mais difusa, atingindo vários órgãos

· A cadeia de glânglios simpáticos paravertebrais situa-se bilateralmente ao lado da coluna vertebral torácica e lombar

· Os neurônos pré-glanglionares são curtos e as fibras pós-ganglionares, aquelas que partem dos gânglios, são longas

· Os neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso simpático secretam principalmente noradrenalina, razão por que a maioria deles é chamada neurônios adrenérgicos

Sistema Parassimpático

· O SNP autônomo parassimpático estimula principalmente atividades relaxantes, como as reduções do ritmo cardíaco e da pressão arterial

· Apresenta ação sempre localizada em um órgão ou região do organismo

· O sistema nervoso autônomo parassimpático encontra-se na região cranial e caudal da coluna vertebral

· As fibras pré-ganglionares são longas e as fibras pós-ganglionares são curtas

· O hormônio secretado pelos neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso parassimpático é a acetilcolina

Acetilcolina

Neurotransmissor produzido nos nervos parassimpáticos, atuante tanto no sistema nervoso central como no periférico.


Efeitos:

  • vasodilatação
  • redução da força da contração do miocárdio
  • diminuição da frequência cardiorrespiratória
  • diminuição da condução nervosa nos nodos sinoatrial e atrioventricular
  • atuam na aprendizagem e memória

Adrenalina

Neurotransmissor produzido pela glândula adrenal, atuante no sistema nervoso simpático


Efeitos:

  • vasoconstrição periférica (vasos sanguíneos da pele)
  • aumento da frequência cardiorrespiratória (nos brônquios atua diretamente na broncodilatação)
  • estimula a secreção de insulina, glucagon e gastrina, estimulando o aumento da concentração de glicose no sangue
  • regulação do metabolismo do gliucogênio
  • degradação de triacilglicerois armazenados no tecido adiposo
  • aumento da sudorese
  • dilatação das pupilas

Acetilcolina X Adrenalina

Os hormônios acetilcolina e adrenalina podem ser considerados com de atuações antagônicas. Enquanto que a adrenalina é liberada em quantidade em situações de risco, estresse e de grande esforço, a acetilcolina é liberada em situações de relaxamento.


Os efeitos da adrenalina atuam no corpo a fim de otimizar a capacidade corporal em situações de estresse. O aumento de glicose no sangue e degradação de triglicerois aumentam a obtenção de energia. A dilatação das pupilas aumenta o estímulo luminoso no cérebro, tornando-o mais sensível a menores movimentos e identificação de objetos.

A sudorese permite maior controle da temperatura, preparando o corpo para correr ou outros esforços físicos que aumentem a temperatura corporal. O aumento da frequência cardiorrespiratória permite o bombeamento de maior volume de sangue e maior obtenção de oxigênio.


Os efeitos da acetilcolina são de relaxamento no corpo. A diminuição da frequência cardiorrespiratória e vasodilatação caracterizam a situação de repouso corporal. Enqunanto que a adrenalina atua em situações de perigo iminente, a acetilcolina permite à pessoa relaxar e descansar.

Grupo

Daniela Oliveira nº9

Lucas Campos nº26

Mariana Sidrim nº33

Melissa Panhol nº40