Sistema Nervoso Autônomo

Brenda Lee (6) e Maria Eduarda (32)

Sistema Nervoso Autônomo

Confere o controle dos mecanismos involuntários e vitais fundamentais à homeostase. Por exemplo, no controle dos ritmos cardíaco e respiratório, você pode até prender voluntariamente a respiração por certo tempo, mas quando a falta de O2 parecer crítica ao organismo, o SNA desencadeia novamente os movimentos respiratórios. Por isso, ninguém consegue se suicidar prendendo a respiração.

O SNA é dividido em Sistema Nervoso Simpático e Sistema Nervoso Parassimpático, dois conjuntos distintos de nervos que controlam, em geral, os mesmos órgãos de forma antagônica. Os nervos simpáticos têm ação excitatória sobre tais órgãos, colocando o organismo em estado de prontidão e alerta em situações de estresse. Os nervos parassimpáticos atuam inibindo a atividade destes órgãos, levando o organismo a um estado de relaxamento.

Big image

Assim, quando nos assustamos, nosso organismo mostra-se apto à luta ou à fuga nos momentos em que estas atitudes forem necessárias por ação do Sistema Nervoso Simpático: por influência da adrenalina, o ritmo cardiorespiratório aumenta, as pupilas dilatam, os músculos esqueléticos recebem mais sangue etc. Ao fim dessa situação, por influência da acetilcolina, o Sistema Nervoso Parassimpático leva ao restabelecimento da condição “normal” de funcionamento do organismo. Sendo antagônicas pelo motivo de sempre buscar a homeostase do corpo.