Fonte Real

A vida como ela é, mas não deveria.

Big image

STJ decide desmembrar ação penal sobre "mensalão do DEM"

A Corte Especial do STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu nesta quarta-feira (5) desmembrar o processo que trata do suposto esquema de corrupção apontado pela operação da Polícia Federal de Brasília Caixa de Pandora. O esquema ficou conhecido como o "mensalão do DEM".

Com a decisão, dos 37 denunciados na ação penal, o STJ julgará apenas a denúncia contra Domingos Lamoglia, que é conselheiro do Tribunal de Contas do Distrito Federal. Apesar de afastado do cargo desde dezembro de 2009 – quando o caso veio ao público -, Lamoglia ainda tem foro privilegiado para ser julgado pelo STJ.

Os casos dos demais denunciados serão distribuídos a varas criminais da Justiça do Distrito Federal, ou seja, para 1ª instância, que julga acusados sem prerrogativa de foro.

Entre eles, está o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda (sem partido, ex-DEM), que foi preso e cassado por envolvimento no suposto esquema de pagamento de propina a parlamentares e empresários em troca de apoio político.

Segundo o STJ, a decisão foi levantada pelo relator da ação penal, ministro Arnaldo Esteves Lima, que apontou o número elevado de acusados e a complexidade do caso como "limites intransponíveis para a razoável duração do processo, além da eficiência".

O desmembramento vai evitar que o STJ repita o que fez o STF (Supremo Tribunal Federal) no caso do mensalão, com quase 40 réus se tornou o mais longo processo votado na Suprema Corte brasileira.

Vídeo mostra deputada federal Jaqueline Roriz recebendo dinheiro do mensalão do DF

Comentário:

Vários casos de corrupção estão presentes em nosso dia a dia, como é o caso do José Arruda. Apesar de a noticia transmitir a luta contra a corrupção, o processo não tem sido muito eficiente, pois a realidade do nosso país é que mesmo com todas essas medidas os corruptos ainda saem em parte ilesos.


“Eles faziam fila”, diz vítima de estupro coletivo

Big image

Abusos teriam ocorrido pouco depois de a mulher passar por uma operação

“Eles faziam fila e filmavam tudo”. O relato é de uma mulher que diz ter sido estuprada por quatro homens em 23 de março, na saída de uma confraternização entre torcedores do Fluminense na Freguesia, zona oeste do Rio de Janeiro. Em entrevista à Record, ela contou que a violência começou quando aceitou uma carona de estranhos.

— Logo que entrei no carro, já começaram a me agarrar. Tentaram me beijar, passaram a mão em mim. Logo em seguida, pararam em uma casa, me arrastaram para dentro e começaram o estupro. Eram vários. Eles faziam fila, fizeram vídeos, tiraram fotos.

A vítima, que na ocasião vestia uma camisa do Fluminense, disse que os agressores fizeram questão de colocar uniformes do Vasco enquanto praticavam a ação, na tentativa de demonstrar superioridade.

Após uma hora de abusos, os suspeitos a colocaram no carro e a deixaram perto do estádio do Engenhão. A mulher pediu ajuda a policiais militares que passavam em uma viatura e prestou queixa na Delegacia de Todos os Santos.

O delegado responsável pelas investigações contou que já ouviu pessoas que participaram da festa da torcida do Fluminense e que espera por um novo depoimento da mulher para tentar identificar os responsáveis.

O estupro teria ocorrido pouco tempo após a mulher passar por uma cirurgia para a retirada de um câncer no intestino. Ela disse que tem medo de sair na rua.

— Eu achei que eles não fossem me deixar viva. Agora vou viver escondida. Parece que sou eu que estou presa e eles, soltos.

COMENTÁRIO

Com essa reportagem, podemos perceber que a violência que assola o mundo de hoje é tão grande que nos remete ao estado de natureza humana, onde o ser age e pensa como um animal. Por ser um animal ele bota suas necessidades em primeiro lugar em vez de raciocinar quais serão as consequências de tal ato. É um comportamento individualista e instintivo, o que indica o estado natural do homem.