Portifólio de Basquete

Educação Física

Sobre o Basquete

O basquetebol surgiu em dezembro do ano de 1891. Criado por James Naismith, professor de Educação Física da Associação Cristã de Moços de Springfield, Massachusetts, Estados Unidos. O esporte foi criado pela necessidade de uma atividade física que pudesse ser praticada em locais fechados, devido ao rigoroso inverno de Massachussets, mas também que pudesse ser jogado ao ar livre nos dias de verão. O professor tinha como preocupação o nível de dificuldade do jogo, o alvo a ser atingido pela bola não podia ser no chão, pois já havia outros esportes assim. Naismith pensou então que o alvo deveria ficar a 3,5m de altura, onde imaginava que a defesa seria incapaz de parar a bola que fosse arremessada para o alvo. Nos primeiros momentos, o basquete era jogado com uma bola de futebol, sendo a bola de basquete desenvolvida apenas no ano de 1894. Foi quando profissionais da União Atlética Amadora tomaram conhecimento do novo esporte e resolveram formalizar as regras. Antes disso os jogos só eram realizados na Associação Cristã e as regras ficaram restritas àquele local. O basquete veio ao Brasil no ano de 1896, quando o norte-americano Augusto Shaw introduziu o esporte na Associação Atlética Mackenzie de São Paulo. Os grandes jogadores e jogadoras de basquete da nossa história - Adriana Aparecida dos Santos - Alessandra Santos de Oliveira - Alfredo Rodrigues da Mota - Amaury Antônio Pasos - Anderson Varejão - Edson Bispo dos Santos - Friedrich Wilhelm Braun - Hortência Maria de Fátima Marcari Oliva - Janeth dos Santos Arcain - José Edvar Simões - Magic Paula - Marta de Souza Sobral - Nenê - Oscar Schmidt - Rosa Branca - Ubiratan Pereira Maciel.
O basquetebol, atualmente, é praticado por um grande número de países que já são adeptos ao esporte e investem em suas equipes. Com a extenção do basquete foram criadas competições mundialmente disputadas, as principais são: Copa do Mundo de Basquetebol (FIBA), as competições norte-americanas NBA e WNBA e os Jogos Pan-Americanos. No entanto, ainda existem eventos como os Jogos Olímpicos e a EuroLiga de Basquetebol que é um evento exclusivo para países europeus.
É um dos esportes mais praticados do mundo, hoje mais de 300 milhões de pessoas praticam basquete nos 170 países cadastrados na FIBA. Devido a influencia que o governo, universidades e escolas fazem nos cidadãos, os Estados Unidos lideram o ranking com mais praticantes de basquete, seguido da Espanha, Síria, Lituânia e Argentina. As competições internacionais de basquete atraem um grande publico o ano todo no mundo, sendo que são transmitidas em 212 países com mais de 3.1 espectadores, 36 mil horas são gastas de noticias e jogos de basquetes nas televisões e em cada jogo são esperados 17 mil visitantes. No Brasil existe uma liga chamada NBB (novo basquete Brasil) que reúne os melhores jogadores do Brasil e alguns estrangeiros como por exemplo: Kevin Sowell que joga pelo time franca e Federico Kammerichs do flamengo.

Campeonato Mundial de Basquete

Saturday, Aug. 30th 2014 at 9pm

Espanha

Você sabia?

- O Brasil foi o primeiro país da América Latina a praticar o basquete, em 1896. A modalidade havia sido criada cinco anos antes pelo professor canadense James Naismith, que dava aulas no colégio da ACM (Associação Cristã de Moços), em Springfield, Massachussets (EUA).

- O Maior cestinha do basquete brasileiro, o ala Oscar Schmidt disputou 326 partidas pela seleção brasileira e marcou 7.693 pontos, média de 23,5 por partida.

- O placar mais alto em uma partida de basquete aconteceu em um jogo internacional de veteranos nos Jogos Asiáticos-1982, quando o Iraque venceu o Iêmen por 251 a 33, em Nova Déli, na Índia.

- Os EUA obtiveram 11 medalhas de ouro em 13 torneios de basquete masculino disputados em olimpíadas. Nas duas vezes em que não ganharam, foram prata (em Munique-1972) e bronze (Seul-88). Ao todo, foram 100 vitórias e apenas três derrotas.

- O basquete é um dos esportes mais praticados no mundo, com cerca de 300 milhões de adeptos. Atualmente, mais de 170 países estão filiados à Federação Internacional de Basquete Amador (FIBA), entidade máxima da modalidade.

Esporte e tecnologia

As empresas de artigos esportivos utilizam cada vez mais a tecnologia para melhorar o desempenho dos atletas. Seja para aumentar velocidade, reduzir impactos ou estimular o suor, existem diversas inovações tecnológicas que foram desenvolvidas especialmente para isso. Assim sendo para o basquete uma vantagem, aumentando amobilidade e velocidade dos atletas.
O erro se torna mais difícil tanto da parte do atleta como da arbitragem. Onde é possível visualizar todos os movimentos do atleta de diversos ângulos e formas.
A tecnologia também tem um papel fundamental na superação de limites onde os equipamentos, roupas e o treinamento se tornam mais adequados e diversos recordes são quebrados.

Time de basquete treina com ajuda de um robô industrial

A tecnologia é usada nos esportes nas mais diversas formas: para registros de recordes, para um melhor desempenho do juiz da partida ou para auxiliar nos treinamentos dos atletas. Mas poucas vezes vemos a tecnologia influenciando de forma tão prática como no treinamento de basquete com robôs.
Quem está servindo de “cobaia” neste experimento é a equipe de basquete francesa do Poitiers Basket 86, que comprovam que o teste com o que eles chamam de “parque de diversões melhorado” aumentou a orientação espacial da equipe. Os jogadores passaram a se posicionar melhor na quadra, o que resultou em uma defesa mais consistente e um ataque mais compacto. O resultado? Eles conseguiram derrotar o líder da sua liga de basquete.
Alguns consideram que o sistema seria mais eficiente se ajudasse os jogadores a arremessar melhor ou ter uma melhor performance na corrida durante os jogos e que, na verdade, a iniciativa do Poitiers Basket 86 seria mais uma ação promocional do que uma melhora efetiva do time durante os jogos. Seja como for, parece que a brincadeira deu resultado. Mesmo que seja para ser apenas um fator psicológico contra os adversários.

Extraído do site G1.com

Tecnologia irá medir habilidade de jogadores de basquete

Pesquisadores da Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, em parceria com a InfoMotion Sports Technologies, desenvolveram um sistema integrado a bolas de basquete que é capaz de medir a mecânica de manuseio e lançamento, podendo ajudar ainda mais no desenvolvimento do esporte.

De acordo com o site PopSci, o sistema pesa cerca de 5 g e em nada altera os padrões de balanço e equilíbrio da bola. Ele é formado por um conjunto de acelerômetros e giroscópios que coletam dados durante o jogo, que são transmitidos via wireless para um computador, que pode analisar as performances nas jogadas.

Segundo os pesquisadores, o sistema pode facilitar o trabalho de correção de jogadas. Os jogadores poderão saber, por exemplo, se precisam trabalhar mais na mira, no balanço, na força ou no arco dos lançamentos, tudo isso para melhorar ainda mais a qualidade do esporte.


Extraído do site terra.com

A tecnologia melhora resultados?

Após a análise das imagens e do estudo em cima delas a fim de melhorar as técnicas dos arremessos, fizemos algumas observações. Apesar de a tecnologia ajudar é preciso de treino, por isso os resultados não obtiveram uma melhora significativa. No entanto, apesar da pouca melhoria percebemos um aumento do número de cestas de dois alunos (Matheus e Augusto), porém, Gustavo diminuiu em duas cestas.
As principais dificuldades estão na falta de treino, no posicionamento do corpo e na falta de domínio das técnicas que devem ser executadas na hora do arremesso.
Com a tecnologia foi possível mostrar as alunos seus erros e mesmo não acertando os arremessos eles puderam perceber a maneira correta com o auxílio da câmera que, apesar de não ser um equipamento de treino, ajuda na preparação dos atletas com os movimentos captados por ela. Eles analisaram o erro e soltaram mais as mãos, ajustaram a posição do corpo (apesar de não ficar totalmente certa) e fizeram o ato de ‘’quebrar a munheca’’ na hora do arremesso fazendo com que a mão acompanhasse o movimento da bola. Além disso, uso da tecnologia está contribuindo para superação dos limites físicos, prevenções e tratamento de lesões.

Os erros e acertos em um arremesso

A primeira técnica que um jogador de basquete recebe é de como realizar o arremesso, pois objetivo do jogo de basquete é realizar a cesta. Desse modo, o atleta conta com conhecimentos e técnicas que o possibilitam fazer o melhor arremesso possível. Mas qual será a forma correta de realizar esse movimento? Primeiramente é preciso levar a bola acima da cabeça e estender o cotovelo a fim de empurrar a bola para o alto e para frente fazendo uma flexão de punho. Realizando assim o back spin com a bola (movimento de giro contrário após sair das mãos). O arremesso também sai da ponta dos dedos, indicador e médio, e não da palma da mão, nem muito menos dos dedos polegar, anelar e mínimo e do movimento das pernas que é essencial. Analisando o desempenho dos nossos colegas e as técnicas comentadas acima percebemos que, Matheus: Precisa arrumar a posição na hora de arremessar, deve está com os joelhos aliados com o tronco um pouco dobrado e fazer a mola ou ‘’quebrar a munheca’’ na hora do arremesso sem desalinhar com o tronco. As mãos depois do arremesso devem permanecer seguindo o movimento da bola como se ele colocasse a mão dentro do aro. Augusto: Precisa dobrar mais os joelhos para que o desempenho não saia apenas das mãos e consiga usar a perna como mola. Gustavo: Precisa pegar a bola com a mão direita em cima e a esquerda ao lado para que a mão direita dê impulso e ao final do arremesso continuar com o movimento da mão. As pernas precisam estar uma ao lado da outra com a direita um pouco a frente para fazer o efeito ‘’mola’’, e a força não sairá apenas dos braços.

NIKE WORLD BASKETBALL FESTIVAL

Nike World Basketball Festival: Brixton

Nike Basketball Freestyle

Nike Basketball Freestyle Commercial Extended

Nike Pro Training Drills, JR Smith, Shooting: Pin Down Drill

Nike Pro Training Drills, JR Smith, Shooting: Pin Down Drill

EDUCAÇÃO FÍSICA - BASQUETE

Educação Física - Basquete - 22E

“O basquete comanda as minhas decisões” ―Michael Jordan

Equipe

3, 13, 16, 19, 36, 37, 38 e 44 - 2º ano E