Métodos Contraceptivos

9 métodos contraceptivos e suas explicações.

Método da tabelinha

A tabelinha é um método natural que se baseia no cálculo dos dias em que a mulher provavelmente estará mais apta a engravidar, isto é, na metade do seu ciclo menstrual quando ocorre a ovulação. A fecundação só ocorrera se houver relações sexuais nesse período sem proteção. Assim, pode ser utilizada tanto para este fim quanto para a contracepção (não é um método confiável).

Método do muco cervical

Consiste em determinar o período fértil observando o aparecimento do muco cervical, uma secreção semelhante à clara de ovo, produzida no colo do útero.


Vantagens:


  • Pode ser usado para prevenir ou planejar uma gravidez;
  • A mulher passa a conhece melhor seu corpo;
  • Não necessita de prescrição médica;
  • Não tem efeitos colaterais;
  • Não há custo.
Desvantagens:



  • Exige de muita disciplina;
  • A mulher tem que ficar longos períodos sem ter relações sexuais com penetração;
  • O risco de gravidez é maior que o de outros métodos;
  • Não evita doenças sexualmente transmissíveis.
  • São imediatamente reversíveis.

Método da temperatura basal

A mulher deve verificar a sua temperatura corporal da mesma maneira (oral, vaginal, retal), no mesmo horário, todas as manhãs, antes de se levantar. Ela deve aprender a ler o termômetro e registrar a sua leitura em um gráfico especial. A temperatura da mulher sobe 0,2° a 0,5°C no período após a ovulação (aproximadamente no meio do ciclo menstrual, para muitas mulheres). O casal deve evitar relações sexuais com penetração vaginal desde o primeiro dia da menstruação até depois de três dias que a temperatura basal tenha subido. Depois disso, o casal pode ter relações sexuais (durante os próximos 10 a 12 dias) até o início da próxima menstruação.

DIU

O DIU é um pequeno dispositivo de plástico revestido com fio de cobre que é inserido no útero. O DIU impede a gravidez através da alteração das condições uterinas e funcionando também como uma barreira aos espermatozoides. A inserção é feita numa consulta médica, podendo permanecer no útero durante vários anos.

Vantagens:

  • Para além do seu grau de eficácia, é um método reversível e de longa duração

Desvantagens:

  • Não protege contra as IST’s
  • A colocação do DIU tem de ser feita por um profissional de saúde

Camisinha

Camisinha é um método contraceptivo do tipo barreira. Feita de látex ou poliuretano, impede a ascensão dos espermatozoides ao útero, prevenindo a gravidez indesejada. Também é eficiente na proteção contra doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como AIDS e HPV.

Há dois tipos de camisinha: masculina e feminina. A camisinha masculina é um envoltório geralmente de látex que recobre o pênis, retendo o esperma durante o ato sexual. Já a camisinha feminina é um tubo de poliuretano com uma extremidade fechada e a outra aberta, acoplado a dois anéis flexíveis.

É um dos métodos contraceptivos mais eficientes, pois apresenta uma taxa de 90-95% de eficácia na prevenção da transmissão de DSTs e gravidez. Deve ser utilizada em todas as relações sexuais (genital, oral e anal). É acessível a todas as pessoas e não há contraindicação.

Diafragma

O diafragma é um anel flexível envolvido por uma borracha fina, que impede a entrada dos espermatozoides no útero. Para haver o funcionamento correto do diafragma, a mulher deve colocá-lo dentro da vagina cerca de 15 a 30 minutos antes da relação, e retirá-lo 12 horas após o ato sexual.

Esse método contraceptivo apresenta uma chance de falha de 10%. Por se tratar de um procedimento de barreira e não hormonal, não possui efeitos colaterais e ainda apresenta uma grande vantagem: a redução do risco de câncer de colo do útero. Recomenda-se o uso conjunto com o espermicida para proporcionar uma maior eficácia.

Anticoncepcional

O anticoncepcional hormonal combinado oral (AHCO) ou pílula anticoncepcional é um comprimido que tem em sua base a utilização de uma combinação de hormônios, geralmente estrogênio e progesterona sintéticos, que inibe a ovulação. O anticoncepcional oral também modifica o muco cervical, tornando-o hostil ao espermatozoide.

A pílula, com hormônio sintético ou bioidêntico, é um medicamento muito eficiente na prevenção da gravidez, pois seu índice de falha é de 0,1%.

Vasectomia

A vasectomia é a ligadura (fechamento) dos canais deferentes no homem. É uma pequena cirurgia feita com anestesia local em cima do escroto (saco), na qual é cortado o canal que leva os espermatozoides do testículo até as outras glândulas que produzem o esperma (líquido) masculino. Após a vasectomia, a ejaculação continua normal, só que ocorrerá sem a presença de espermatozoides.

Não é necessária a internação. É uma cirurgia de esterilização voluntária definitiva e, por isso, o homem deve ter certeza de que nunca mais quer ter filhos. A possibilidade de reversão dessa cirurgia existe, porém não é fácil. Portanto, a vasectomia deve ser considerada como um método definitivo. Esse procedimento geralmente é realizado no consultório médico e o tempo gasto é inferior a uma hora.

Ligadura das trompas

Ligadura de Trompas ou Laqueadura é uma cirurgia para a esterilização voluntária definitiva, na qual as trompas da mulher são amarradas ou cortadas, evitando que o óvulo e os espermatozoides se encontrem. Há dois tipos de laqueadura: abdominal e vaginal.

Planejamento Familiar

É o direito à informação, à assistência especializada e acesso aos recursos que permitam ao casal, optar livre e conscientemente por ter ou não filhos, o número, o espaçamento entre eles e a escolha do método anticoncepcional mais adequado, sem coação. O Estado tem o dever de oferecer acesso a recursos informativos, educacionais, técnicos e científicos que assegurem a prática do planejamento familiar (métodos contraceptivos).

O Estado Brasileiro, desde 1998, possui medidas que auxiliam no planejamento, como a distribuição gratuita de métodos anticoncepcionais. Já em 2007, foi criada a Política Nacional de Planejamento Familiar, que incluiu a distribuição de camisinhas, e a venda de anticoncepcionais, além de expandir as ações educativas sobre a saúde sexual e a saúde reprodutiva.

Em 2009, o Ministério da Saúde reforçou a política de planejamento e ampliou o acesso aos métodos anticoncepcionais, disponibilizando mais de oito tipos de contraceptivos em postos de saúde e hospitais públicos.


PLANEJAMENTO FAMILIAR

• Promove a saúde

• É um direito do cidadão

• Opção livre e consciente

• É um dever do Estado


CONTROLE DE NATALIDADE

• Promove a redução ou aumento de

população

• É uma política do Estado

• Imposição do Governo ao cidadão

• Sua execução é indiscriminada.

Big image