Relação entre o belo e o grotesco

O que é o grotesco?

Grotesco é tudo aquilo caricaturado como bizarro, que suscita o riso ou o escândalo por sua extravagância.

O grotesco no teatro

Na farsa ocorre um desmascaramento constante e o corpo assume uma importância fundamental. No nosso caso, um corpo disforme e estranho. Juntamente com a farsa uma estética veio a reboque: o grotesco. O corpo grotesco está presente em todos os nossos espetáculos.

O termo grotesco vem de gruta (em italiano grota), por causa das descobertas, no século XV, de uns ornamentos ‘esquisitos’ retirados de escavações em frente ao Coliseu. O termo sofreu variações ao longo dos tempos. Inicialmente era apenas um substantivo, adjetivou-se e chegou a categoria estética. Esteticamente o grotesco sempre existiu e sempre esteve presente nas manifestações artística desde a Antiguidade, antes mesmo da invenção do termo.


Victor Hugo foi quem elevou o grotesco a categoria estética, ao defender, no prefácio de Cromwell, a mistura do sublime com o grotesco. Mas o que vem a ser uma categoria estética? Segundo Muniz Sodré, “a categoria responde tanto pela produção e estrutura da obra quanto pela ambiência afetiva do espectador, na qual se desenvolve o gosto, na acepção da faculdade de julgar ou apreciar objetos, aparências e comportamentos.” (2002, p.34) Para tanto, necessita de uma organização dos elementos na criação do artista.” (idem, p. 32)

O grotesco opera por rebaixamento, “suscitando (...) riso, horror, espanto, repulsa” (2002, p. 17) e está presente no teatro, na literatura, nas artes plásticas etc. No dizer de Sodré, “o grotesco é o belo de cabeça para baixo.” (p. 28)

Ainda segundo este autor, uma categoria estética tem três planos – criação, componentes e efeitos de gosto – e quatro elementos: equilíbrio de forças, reação afetiva (do espectador perante a obra), valor estético (julgamento) e trânsito estético (“o grotesco pode acontecer numa pintura, num romance, num filme, na vida real e assim por diante.”) (p. 35)

Mikhail Bakhtin afirma que para entender o grotesco é necessário um mergulho na cultura popular, que para ele é pouco estudado. Estudando a cultura popular medieval e renascentista, ele denominou essa estética de realismo grotesco, que tem sua expressão máxima no carnaval, que seria “a segunda vida do povo, baseada no princípio do riso. É a sua vida festiva. (1987, p.7) Essa segunda vida se construiria como “paródia da vida ordinária.” (p. 10) O riso carnavalesco é um patrimônio popular, universal e ambivalente.

“O traço marcante do realismo grotesco é o rebaixamento” (p. 17), ou seja, faz descer a terra tudo que é elevado. O riso grotesco, segundo Bakhtin, nos libertaria das “idéias dominantes. Ao penetrar nesse mundo sentimos uma alegria espacial e ‘licenciosa’ do pensamento e da imaginação.” (p. 43)

O grotesco está associado “a escatologia, a teratologia, aos excessos corporais, às atitudes ridículas e (...) a toda manifestação da paródia em que se produza uma tensão risível, por efeito de um rebaixamento de valores.” (SODRÉ, 2002, p. 62) O fenômeno grotesco manifesta-se, ainda segundo Sodré, representado ou atuado. Sendo que o representado pode está no suporte escrito (literatura, imprensa) e imagístico (pintura, fotografia, cinema televisão etc.). No atuado o fenômeno pode ser espontâneo (“incidentes da vida cotidiana”), encenado (teatro) e carnavalesco (associado às festas e aos espetáculos circenses).

Atuado ou representado o grotesco assume “modalidades expressivas”: escatológico, teratológico, chocante (misto das anteriores, visa apenas chocar) e crítico. Este último propicia um desmascaramento das convenções, rebaixando pelo riso os cânones e o “poder absoluto.” A crítica é lúcida, cruel e risível.

É justamente o grotesco crítico que o Buraco d`Oráculo tem trabalhado em seus espetáculos, rebaixando e desmascarando alguns tipos sociais, fazendo com que o espectador desvende através dessa operação outros valores e encontre, no dizer de Bakhtin, o “seu corpo social.”

A visão do grotesco

Por muitos o grotesco é visto como algo estarrecedor porém, para alguns, é uma outra visão de beleza em contraposição com a teoria estética tradicional.
Proyecto "La Estética de lo Grotesco" por Yuriana Tellez con Las Desobedientes Colectivo Artístico

A arte grotesca

O que é o belo?

O belo é um conceito relacionado à determinadas características visíveis nos objetos (ou seres). Historicamente, é o fruto maior da estética clássica, grega e romana. Foi desenvolvido pelos filósofos gregos e exemplarmente demonstrado em suas escultura, arquitetura e pintura. Estas obras seguem sendo, passados mais de dois mil anos, os paradigmas dos objetos belos.
Eu posso gostar do que é feio, do que é amargo ou assustador, portanto não é o gosto que define o que é belo.
Acompanhando a milenar tradição clássica, podemos definir o belo formalmente, isto é, a partir de certas características das formas dos objetos.
Estando presentes estas características, o objeto tem larga chance de ser belo. Posso não gostar dele, posso considerá-lo frio e distante como um estranho extraterrestre alheio às imperfeições e paixões da vida, mas ele adequa-se aos critérios de beleza de 20 séculos de arte e arquitetura.
Três destas características formais são a ordem, a simetria e a proporção. Pensadas na Grécia clássica, estas três categorias atravessaram milênios de história, informando muita da arte gótica, renascentista, neoclássica etc. até os dias de hoje.

Read more: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:http://www.auladearte.com.br/estetica/belo.htm#ixzz2LfRUhc1Z

O belo para o teatro

O belo na teoria de Platão tem a missão de representar o bem, a verdade, o divino, a ordem, em contraponto com os dom os horrores do mal, da mentira, do demoníaco, do caos. isso é intrínseco a visão moral, maniqueísta, do ser humano, exemplo: bons sempre eram representado como os mais bonitos, brancos que tinha toda pureza, resplandecentes, divinos porque eram a imagem da verdade e do bem.No entanto para Aristóteles não era mais algo tão espiritual, mas sim com relação a ordem e ângulos harmoniosos que com isso nos provocava outras reações como dos sentidos e nos eleva o prazer de ver o que tinha o corpo com as proporções perfeita tanto que as esculturas no causa ate hoje essa sensação de perfeita harmonia corpórea do ser.


Organicidade, de espectador:


Os espectadores se interessam por coisas que estão a sua volta o que esta fica em seu cotidiano e quando esse espectador vai ate o teatro e sai de sua zona de conforto para experimentar essas diversas sensações que ele procura se transformar reagir que é orgânico dos seres humanos esse gosto pelo o mexer o sentimentos com isso vê em cena essas ondulações sensoriais.

Sobre os temas:


Uma das estética que se percebe no teatro é o tema ligado com a obra na expressão para o entendimento dos espectadores.


Ao longo dos tempos a visão do belo é mutável podemos considera que o belo é uma forma que esta dentro de cada ser humano, mas também pelas suas experiência culturais e geográficas e empíricas.


O belo visto pela sociedade

Beleza através dos tempos
O belo para sociedade é, aquilo que é imposto pela mídia e adotado por grande parcela da sociedade, principalmente por pessoas públicas.

Relação entre o belo e o grotesco

A maior diferença entre o belo e o grotesco é a maneira como são recebidos pelo público, enquanto o belo é considerado agradável aos olhos,suave e, muitas vezes bonito, o grotesco escandaliza, nos fere visualmente e é velado pela sociedade e ,algumas vezes, proibido por ser algo sem pudor.