Direitos Humanos

Acesso à informação

http://www.youtube.com/watch?v=nWnTn973lNw

Texto base

Campanha pelo acesso à informação

Justificativa

A campanha procura disponibilizar o acesso à informação confiável a todos os cidadãos brasileiros a fim de gerar um senso crítico a partir da comparação desta com a informação manipulada fornecida pela mídia, e de promover o conhecimento do povo brasileiro a respeito da constituição federal.

Também, esta campanha deseja promover o acesso a informação de qualquer região do país, por qualquer brasileiro ou estrangeiro. A campanha também procura acabar com o analfabetismo digital, criando cursos sobre a tecnologia promovidos pelo governo.

Atualmente, a maior parte da população não tem acesso a informação de qualidade, pois a informação que é fortemente difundida é manipulada pela mídia a favor da elite.

Objetivo Geral

Promover o acesso à informação não manipulada a todos os cidadãos por meio do uso livre da tecnologia, fornecida pelo governo, para proporcionar uma melhoria considerável na qualidade de vida da população, e na sua percepção de mundo.

Objetivos Específicos

1) Disponibilizar a informação limpa para todos os habitantes do Brasil, afim de criar, por meio dessa, uma opinião coerente, individual e especifica a respeito do Brasil e do mundo.

2) Proporcionar o livre acesso a tecnologia a todos, para que tenham meios de buscar a informação por si mesmos, sem a interferência da mídia, da opinião alheia, do governo, etc., mas diretamente de uma fonte confiável.

3) Chamar atenção a privatização da informação, de modo que a liberdade se faça e a distribuição de informação seja igual para todos, sem omissão de parte alguma dessa, de modo a deixar a interpretação livre ao cidadão a quem a informação chega.

Estratégias

Primeiramente, por meio das redes sociais, chamar-se-á a atenção das pessoas para o problema, tentando conscientizá-las sobre o artigo 5, que não está sendo cumprido, afim de conquistar um número maior de pessoas que simpatizem com a causa para, então, seguir para a segunda parte.

Em seguida criar-se-á um abaixo-assinado online, no site: http://www.abaixoassinado.org/ . Por meio dele, e com a colaboração de todos os adeptos da campanha, espera-se que os objetivos aqui especificados e explicados da campanha possam chegar ao congresso nacional e, então, serem alcançados.


Direitos humanos no Maristão


1. Respeite as diferenças de todos os alunos ou funcionários da escola.

2. Não mexa, sem permissão, no que não te pertence.

3. Respeite as opiniões de cada um.

4. Não risque as carteiras, jogue o lixo no lixo, cuidado com o que é da escola.

5. Reivindique os seus direitos pacificamente.

6. Não obrigue os outros a fazer o que não querem.

7. Não atrapalhe o tempo de lazer dos outros.

8. Não negue ajuda.

9. Não exclua as pessoas.

10. Não deixe de fazer as tarefas, obedecer as regras e estudar.


Sobre a Escravidão - Violação dos Direitos Humanos




A escravidão no século XXI é um fato que assusta a todos, pois muitos encaram isso como coisa do passado.

Embora seja ilegal, o tráfico de pessoas é uma das atividades que geram mais lucro no mercado.

“É importante ressaltar que o vergonhoso comércio de escravos representou uma excelente alternativa econômica para a Europa e trouxe muitos lucros para os europeus.”

A partir da independência do Brasil (1822), as pessoas começaram a ter consciência do que era a escravidão e o quanto era injusta. Baseado nos ideais iluministas, que tinham o homem como a obra mais importante de Deus, achavam que em uma sociedade livre não havia a escravidão e nessa mesma época cresciam a quantidade de antiescravistas e também as pressões internacionais pelo fim do trafico negreiro.

“No dia 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel assinou a Lei Áurea que declarava extinta a escravidão no Brasil. Vários fatores causaram a assinatura desta Lei, dentre eles a rebeldia dos escravos e as campanhas abolicionistas.”

Algumas das atitudes e consequências que levaram as pessoas a praticar esse ato de escravidão foram:

· Riqueza

· Mao de obra barata

· Preconceito

Outro exemplo para essa atividade é o trabalho infantil. No Brasil é proibido o trabalho para pessoas de menos de 14 anos, e com 15 só é permitido se tiver a intenção de aprendizagem. É permitido o trabalho para pessoas com 16 a 17 anos desde que não prejudique as suas atividades principais como a escola.

O trabalho infantil tem diminuído, porém continua grande a quantidade de crianças obrigadas a trabalhar para viver. O principal caso de trabalho infantil mais destacado nos últimos anos foi o trabalho doméstico para crianças de menos de 14 anos.

“Mais de 93% das crianças e dos adolescentes envolvidos em trabalho doméstico no Brasil são meninas - quase vinte pontos percentuais a mais do que a média mundial, que é de 71% -, de acordo com o último levantamento de dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) sobre o tema. Em números absolutos, são mais de 241 mil garotas executando tarefas domésticas na casa de terceiros.”

Muitos direitos estão sendo violados, o que acaba acarretando uma série de problemas para o Estado. Propomos uma campanha para a conscientização da população, com o objetivo de alertar as pessoas que a escravização ainda não acabou e que o tráfico de pessoas ainda é um problema que assola a humanidade e precisa ter um fim. Precisamos espalhar a informação e mostrar a realidade para o mundo.

Se a Declaração Universal dos Direitos humanos fosse conhecida e amplamente cumprida teria um efeito muito significante e importante para o mundo, pois a justiça estaria presente na vida da população.

É muito importante o trabalho e a cooperação de todos para um mundo melhor e mais justo, pois assim facilmente poderemos transformar nossas atitudes e, consequentemente, influenciando um melhor convívio entre a sociedade.





Big image

Componentes do grupo:

  • Bianca Herres 06
  • João Marcos 19
  • Lara Kalume 24
  • Luisa Peixoto 29
  • Matheus Mizuno 34
  • Raphael Santolin 47