Jornal Título

Filho de Eike Batista é condenado por atropelamento

Justiça condena Thor Batista a serviços comunitários e multa

Filho de Eike Batista atropelou e matou ciclista no ano passado.
Sentença determina que Thor pague multa no valor de R$ 1 milhão.


A Justiça condenou Thor Batista, filho do empresário Eike Batista, pelo atropelamento e morte de um ciclista no ano passado.

Thor Batista foi condenado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. O filho mais velho do empresário Eike Batista atropelou e matou o ciclista Wanderson Pereira dos Santos em março do ano passado. O acidente foi na BR-040, na altura da Baixada Fluminense.

A sentença saiu no fim da tarde. A juíza Daniela Barbosa Assumpção de Souza entendeu que "a imprudência determinante para o atropelamento foi o excesso de velocidade”, e destacou as nove infrações de trânsito praticadas pelo réu, sete delas por dirigir acima do limite permitido.

Thor foi condenado a dois anos de prisão e à suspensão da carteira de motorista nesse período. A pena de detenção foi convertida em prestação de serviços comunitários. A substituição é prevista pelo Código Penal.

A sentença também determina que Thor pague uma multa no valor de R$ 1 milhão. O dinheiro deve ser doado para uma instituição hospitalar ou ligada à reabilitação de pessoas acidentadas no trânsito.

O advogado da família do ciclista disse que a sentença não foi uma surpresa. Segundo ele, a família pretende entrar na Justiça contra Thor por danos morais. Já os advogados de Thor Batista informaram que vão recorrer da decisão.




Goleiro Bruno é acusado de matar sua amante, Eliza Samudio

Eliza desapareceu em 2010 e seu corpo nunca foi achado. Ela tinha 25 anos e era mãe do filho recém-nascido do goleiro Bruno, de quem foi amante. Na época, o jogador era titular do Flamengo e não reconhecia a paternidade.

Em março deste ano, Bruno foi considerado culpado pelo homicídio triplamente qualificado, sequestro e cárcere privado da jovem. A ex-mulher do atleta, Dayanne Rodrigues, foi julgada na mesma ocasião, mas foi inocentada pelo conselho de sentença. Luiz Henrique Ferreira Romão, o Macarrão, amigo de Bruno, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do atleta, já haviam sido condenados em novembro de 2012.

O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, foi condenado a 22 anos de prisão. Enfrentarão júri ainda Elenílson Vitor da Silva, caseiro do sítio, e Wemerson Marques de Souza, amigo do goleiro. O julgamento, marcado inicialmente para 15 de maio, foi remarcado para 28 de agosto.

Sérgio Rosa Sales, primo de Bruno, foi morto a tiros em agosto de 2012. Outro suspeito, Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi absolvido. Jorge Luiz Rosa, outro primo do goleiro, que era menor de idade na época da morte, cumpriu medida socioeducativa por crimes similares a homicídio e sequestro. Atualmente tem 19 anos e é considerado testemunha-chave do caso.



Editoral

Thor Batista

Thor Batista é filho de um dos maiores representantes da elite econômica brasileira, Eike Batista. O poder aquisitivo não é a única coisa que a família Batista tem, obviamente. Por ter um nome "poderoso" ,bons advogados que o dinheiro de Eike Batista conseguiu pagar, e provavelmente pedindo uns favores aqui e ali, Thor Batista conseguiu que sua pena pelo atropelamento e morte de um ciclista fosse reduzida a serviços comunitários e uma multa. A constituição brasileira foi construída sobre os princípios de igualdade, mas obviamente que a justiça não é cega, o sistema é apenas maquiado e idealizado dessa maneira.


O atropelamento pode ter sujado o nome de Thor Batista, mas não passou disso. Por fazer parte de um grupo "superior" ficou impune.


Goleiro Bruno

Considerado culpado pela morte de sua amante Eliza Samudio, o goleiro Bruno não reconhecia a partenidade de um filho que teve com ela. Um crime cometido por uma criação da sociedade. Um goleiro, vindo de uma área pobre, enriquece e experimenta do poder que o dinheiro dá. Eliza Samudio queria que ele reconhecesse a paternidade do seu filho e pagasse a pensão, como mecanismo de defesa, achando que tinha o poder e o direito, Bruno matou ela.



Integrantes do Grupo - 2º B


Alessandra Nunes nº 1

Camila Souza nº 10

Clara Senna nº 15

Fabíola Malta nº 21

Júlia Afonso nº 28

Laís Martins nº 31

Mariana Palmeira nº 38

Priscila Fernandes nº 43