A vida de uma bailarina

Não tão bailarina assim

SER A MELHOR?

Recebi um e-mail hoje da minha vózinha e me deparei com uma frase engraçada "As pessoas que significam algo para você não são 'as melhores', não são as mais ricas, não ganharam os maiores prêmios... São os amigos que se preocupam com você, com os quais você se preocupa, são aqueles que continuam ao seu lado depois que tudo passa". Engraçada porque é bem verdade que lembrar do nome de 5 professores seus é muito mais fácil que lembrar do nome de 5 últimos ganhadores do Oscar.

O que mais me chama atenção aqui é a importância que atribuímos muitas vezes a pessoas erradas, ou melhor, a importância que esquecemos de dar as pessoas certas. Todo mundo hoje se preocupa muito mais em crescer profissionalmente e financeiramente e se tornar uma pessoa de sucesso, prestigiada - mas prestigiada por quem? Por pessoas que nem te conhecem, que não te darão nada em troca além de 5 minutos de aplausos.

Poucas são as pessoas que deixam de entregar um trabalho, de comparecer a uma palestra para ajudar o amigo em apuros, porque estamos muito mais preocupados nos interesses individuais, esquecendo de que quando estivermos passando por dificuldades também precisaremos e quereremos alguém estendendo uma mão para gente.

E o que mais me incentivou a falar dessa frase é que me vejo encaixada na maioria, e vejo que tenho que mudar isso. Tenho um melhor amigo e que nesse ano saiu da minha rotina porque ele está na universidade e eu no ensino médio... e que dificuldade de se ver e sair para conversar viu? A grande maioria das vezes marcamos e desmarcamos por causa de prazos, compromissos, trabalhos, deveres... Agora me pergunto, qual é o maior compromisso que não a amizade?

Minha mãe vem me falando: faz o que dá, não vale a pena se estressar para atingir o impossível! Olhando ao meu redor vejo que isso faz sentido... Tenho duas amigas que são uma o oposto da outra. Uma está sempre preocupada com o que falta fazer, não tem um momento para si como ouvir música e relaxar, deixa de sair para cumprir prazos, sempre quer ser a melhor e faz questão que todos saibam disso. A outra amiga, sempre tem um sorriso estampado no rosto, faz o que dá para fazer, sem se culpar por as vezes copiar um dever ou faltar um aula chata, sempre está dançando e cantando, fazendo o que gosta, além de elogiar, brincar com todos e não fazer questão nenhuma de se estabelecer como 'melhor', sendo que faz trabalhos maravilhosos e tem talentos visíveis e notáveis.

Amo todas as duas amigas do fundo do meu coraçãozinho, e só as tomei como exemplo para criticas a mim mesma, porque me assemelho muito mais a primeira amiga, e isso acaba se tornando prejudicial principalmente para minha saúde.

Novo objetivo: não me sobrecarregar! Porque o mais importante não é vencer sozinho, mas sim junto porque a recompensa é muito maior.

VONTADE REPENTINA

Estou com uma vontade repentina de escrever tem um tempinho, mas a minha vida corridíssima não me permite... Sabe aquela angústia de colocar tudo para fora? É exatamente essa necessidade! Mas o mais engraçado é que nem sempre se trata de mim, as vezes é a inconformidade com o governo, ou com a tolice da amiga que não enxerga algo que está a sua frente, e você não pode fazer nada. Mas também não posso dizer que não se trata de mim, porque tudo que me envolve me forma, e tudo que me forma sou eu.

Vivo em uma cidadezinha imprevisível, amanhece sol, a tarde você morre de frio e a noite está chovendo, e acho que essa cidadezinha tem um poder imenso em mim, porque muitas vezes me sinto exatamente como ela. Sou uma pessoa muito difícil para tomar decisões, e até ela ser tomada não há nenhum sinal para ninguém que essa mudança irá ocorrer, e aí pego todos de surpresa, numa repentina mudança.

Grande exemplo disso é o intercâmbio que vou fazer esse ano, nunca havia falado seriamente sobre isso com ninguém, nem comigo mesma na verdade, mas foi assim, bastou uma faisquinha para que eu começasse a pensar nisso, e em um mês tudo já estava pronto, decidido, mudado. Não vou dizer que essa decisão foi fácil, muito menos apoiada por todos, mas vejo o quanto essa mudança vai ser bom para mim, e quem saiba traga outras e mais outras!

Sei que vou sentir muitas saudades de todos aqui, e dessa cidadezinha repentina, surpreendente. Vou sentir de todos porque Ensino Médio é assim, laços permanentes são traçados para vida toda, uma corrente tão forte que nos agarra e nos prende, independente da distância e do tempo, porque as experiências que aqui vivemos são tão fortes quanto a vida inteira. São conversas proibidas e engraçadíssimas, beijos repentinos, noites esquecidas por você, mas contadas a você por suas queridas e mais companheiras amigas, são deslizes compartilhados, trabalhos de escola, estresse e deveres compartilhados, uma colinha na prova decisiva e um imenso carinho a cada segundo.

As amigas não precisam estar na escola de forma alguma, mas é nesse momento da escola, do Ensino Médio, que você escolhe as principais, algumas já estavam com você, algumas você conheceu agora, mas todas conheceram sua história da vida toda.

Eu sei que é besta, e até clichê, mas o amor que tenho pelas minhas amigas são imensos, quer dizer, amigos! São as bailarinas, as 4x4/Clube da soja/Sanfona mix, a minha família querida e os avulsos que aparecem na nossa vida sem nem avisar, um encontro repentino.

REPENTINO, SURPRESA: é isso que nos move, é isso que a vida é, mudança, crescimento, regresso também, porque surpresas nem sempre são boas. Melhor ainda, repentino: o bem com o mal, juntinhos, misturados, afinal quando há uma mudança, uma decisão, algo é agarrado, e algo é soltado! Simples assim! Isso define sua felicidade ou sua tristeza, afinal, você não pode se arrepender do que foi soltado, porque o que foi soltado não existe mais, e sim se orgulhar do que foi agarrado porque o que fica é o que você é.