O Belo e o Grotesco

O Belo

Para Platão, o belo é o bem, a verdade, a perfeição; existe em si mesma, apartada do mundo sensível, residindo, portanto, no mundo das idéias. A ideia suprema da beleza pode determinar o que seja mais ou menos belo.

Já Aristóteles, diferentemente de Platão, acredita que o belo seja inerente ao homem, afinal, a arte é uma criação particularmente humana e, como tal, não pode estar num mundo apartado daquilo que é sensível ao homem. A beleza de uma obra de arte é assim atribuída por critérios tais como proposição, simetria e ordenação, tudo em sua justa medida.

O Grotesco

Grotesco pode ser definido com algo ridículo, diferente do usual, diferente de algo que a sociedade está acostumada a ver, algo cômico, incomum, extravagante e caricato.

Relação entre O Belo e O Grotesco

O belo por ser mais aceitável e mais confortável aos olhos é considerado mais bonito e melhor, já o grotesco por ser diferente, escandaloso, bizarro e extravagante e muitas vezes desagradável aos olhos. Por esses motivos o Belo é mais recebido pelo público, por ser menos doloroso de ser visto, menos desagradável, e que muitas vezes é imposto pela mídia, que exerce grande influência na sociedade, ditando valores e até pontos de vista e opiniões.